14 de novembro é o Dia Mundial do Diabetes, que causa a retinopatia diabética e pode até levar à cegueira

visão com retinopatia

 

14 de novembro é o Dia Mundial do Diabetes, doença que atinge mais de 16 milhões de brasileiros adultos (8,1% da população) e mata 72 mil por ano, segundo o último relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS), divulgado em abril passado. Uma das consequências do diabetes é a retinopatia diabética que, estima-se, atinge 5 milhões dos diabéticos no Brasil. Ao contrário do que se imagina, não é uma doença ligada à idade. Adolescentes e jovens adultos também podem desenvolver retinopatia diabética, caso não tenham um bom controle de seu diabetes.

A retinopatia diabética acomete a visão devido ao acúmulo de material anormal nos vasos sanguíneos do fundo do olho – o que pode ocasionar o entupimento ou enfraquecimento desses vasos, muitas vezes levando ao seu rompimento e a danos à retina. “É uma doença silenciosa e que pode até levar a cegueira. Mas isso não precisa acontecer, pois ela é perfeitamente tratável e controlável”, ressalta a oftalmologista Paula Miyasaki, especialista em retina do Hospital de Olhos Redentora.

O que é a retinopatia diabética

Como o nome já sugere, é a doença que atinge a retina, camada do olho em que estão alojadas as células que recebem luz, processam as imagens e levam essas informações ao cérebro. Com o excesso prolongado de açúcar no sangue, os vasos sanguíneos da retina se deterioram se tornando mais permeáveis, possibilitando o extravasamento de sangue e fluido: o chamado edema. Como consequência, o portador da retinopatia diabética pode, inicialmente, perceber um embaçamento da visão e a condição pode progredir para a perda parcial ou mesmo total da visão.

Existem duas formas de retinopatia diabética: exsudativa e proliferativa. Em ambos os casos, a retinopatia pode levar a uma perda parcial ou total da visão.

» Retinopatia Diabética Exsudativa: ocorre quando as hemorragias e as gorduras afetam a mácula, que é necessária para a visão central, usada para a leitura.

» Retinopatia Diabética Proliferativa: surge quando a doença dos vasos sanguíneos da retina progride, o que ocasiona a proliferação de novos vasos anormais que são chamados “neovasos”. Estes novos vasos são extremamente frágeis e também podem sangrar. Além do sangramento, os neovasos podem proliferar para o interior do olho causando graus variados de destruição da retina e dificuldades de visão. A proliferação dos neovasos também pode causar cegueira em conseqüência de um descolamento de retina.

Causas

O diabetes melittus é o fator desencadeante desta doença, na qual o corpo humano não pode fazer uso adequado de alimentos, especialmente de açúcares. O problema específico é uma quantidade deficiente do hormônio insulina nos diabéticos.

Grupos de risco

As pessoas que têm diabetes apresentam um risco de perder a visão 25 vezes mais do que as que não portam a doença. A Retinopatia Diabética atinge mais de 75% das pessoas que têm diabetes há mais de 20 anos.

Tratamentos

O controle cuidadoso da diabetes com uma dieta adequada, uso de pílulas hipoglicemiantes, insulina ou com uma combinação destes tratamentos, que são prescritos pelo médico endocrinologista, são a principal forma de evitar a Retinopatia Diabética.

Fotocoagulação por raios laser: é o procedimento pelo qual pequenas áreas da retina doente são cauterizadas com a luz de um raio-laser na tentativa de prevenir o processo de hemorragia. O ideal é que este tratamento seja administrado no início da doença, possibilitando melhores resultados por isso é extremamente importante a consulta periódica ao oftalmologista.

 

Deixe uma resposta